sábado, 17 de junho de 2017

"Inside the Tanks" estreia no YouTube

O novo documentário sobre cativeiros de mamíferos marinhos que promete mostrar os dois lados da indústria, "Inside the Tanks", já está disponível para ser assistido no Canal Oficial do filme no YouTube:
Consegui assistir ontem a noite (tem cerca de 40 minutos de duração apenas) com certeza recomendo a todos. Muitas informações novas? Na verdade, não. Mas a abordagem amigável junto ao Diretor do Marineland é bem interessante para podermos refletir sobre o ponto de vista do parque sobre o comportamento dos animais.
Assistam! Vale a pena!
Se tiverem dificuldade por conta da língua, me escrevem sobre qualquer dúvida e tento auxiliar.
E já declararam que só vão fazer legenda em Português se houver interesse do público. Portanto, demonstrem esse interesse usando hashtags e comentando nas redes sociais, quem sabe assim planejam a tradução.
Aguardo comentários aqui ou pelo Instagram para saber a opinião de vocês.

sexta-feira, 16 de junho de 2017

Japão dá início a uma campanha de caça a baleias no Pacífico

Japão deu início, nesta quarta-feira, a uma campanha de caça a baleias no Pacífico que certamente vai atiçar a ira de defensores dos direitos dos animais e outros ativistas que pedem o fim dessas caças. Três navios estão deixando o porto para uma missão que vai durar três meses com o objetivo de capturar 43 baleias minke e 134 baleias sei, de acordo com o governo.
A nova missão acontece depois que o país começou, no domingo, uma caça baleeira anual nas margens ao Norte do Pacífico, que pretendem capturar 47 baleias minke até o fim de julho. O Japão é signatário da moratória da Comissão Baleeira Internacional sobre a caça às baleias, mas a nação se aproveita de uma lacuna na proibição, que permite a pesquisa científica letal.
O governo japonês vem tentando provar que a população de baleias é grande o bastante para sustentar um retorno à caça comercial. A pressão externa sobre o país para que dê fim à caça tem se tornado um problema espinhoso para a diplomacia do Japão.
Além disso, a demanda dos consumidores japoneses por carne de baleia diminuiu significativamente ao longo dos anos. Isso levanta um questionamento interno sobre o sentido econômico das missões baleeiras.
Em 2014, o Tribunal Internacional de Justiça das Nações Unidas ordenou que Tóquio encerrasse sua caçada nas águas antárticas, afirmando que o projeto não atendia aos padrões científicos convencionais. O Japão cancelou sua caçada 2014-15, mas retomou o projeto no ano seguinte sob um novo programa, afirmando que seu novo plano é genuinamente científico.
A caça da Antártida tem enfrentado conflitos no alto mar entre baleeiros japoneses e ativistas de animais.



Fonte: O Globo de 14 de junho de 2017.



terça-feira, 6 de junho de 2017

Novo documentário aborda diferentes lados sobre cativeiros

Com estreia programada para 15 de junho, o documentário Inside the Tanks ("Dentro dos Tanques", se traduzido para Português, porém sem nome oficial ainda no Brasil), promete ter uma abordagem exclusiva sobre a manutenção de mamíferos marinhos em cativeiro. Nele, o Apresentador e Produtor Jonny Meah abre completamente o debate sobre o tema, dando a chance de todos os lados apresentarem seus argumentos, incluindo entrevistas aprofundadas com a Fundação The Born Free Foundation, a Dra. Ingrid Visser, o ex-treinador John Hargrove, e, em exclusividade, com o Diretor do parque francês Marineland, Jon Kershaw.

Assista ao trailer abaixo:


A estreia ocorrerá mundialmente no próximo dia 15 através do Canal Oficial Inside The Tanks no YouTube: 

O Produtor ainda está trabalhando na disponibilização de versões legendadas, mas somente em Francês, Alemão e Espanhol, à princípio.

Para saber mais, visite e curta a página do documentário no Facebook e https://www.facebook.com/InsideTheTanks/ e acompanhe as novidades também pelo Twitter @InsideTheTanks.



segunda-feira, 5 de junho de 2017

Roberto Bubas luta para libertar Kshamenk

Já citamos aqui no blog a história da Orca Kshamenk, mas o que muitos não sabem é que o guarda-fauna Roberto Bubas, agora também famoso pelo filme "O Farol das Orcas", também está envolvido em projetos de soltura da Orca.
Ele que se define como um ativista não-fundamentalista e também tem sua luta focada em libertar Kshamenk, a única Orca em cativeiro na América do Sul, que vive no Parque Mundo Marino, em San Clemente del Tuyú, na Argentina. Por esse motivo, ele se reuniu (junto ao ator que fez seu papel no filme “O Farol das Orcas”) com a governadora María Eugenia Vidal em 2016 para mais uma tentativa de apresentar o projeto e buscar apoio para a reabilitação. Segundo ele, “a orca foi capturada em 1992, e é da família das Orcas da Península Valdes”, e esclarece ainda que não pretende acabar com o parque (impactando-o de forma negativa financeiramente falando), mas transformá-lo em um centro de conhecimentos, sem animais em cativeiro.

Quer saber mais sobre Kshamenk?
Visite o link de agosto de 2012, quando pedi o apoio dos leitores do blog para que assinassem uma petição pedindo por sua libertação:
http://v-pod-orcas.blogspot.com.br/2012/08/conheca-kshamenk-orca-da-argentina-e.html




quinta-feira, 1 de junho de 2017

"Pequena Sereia" manchada de vermelho em nome das baleias

A estátua da Pequena Sereia, uma das marcas emblemáticas de Copenhaga e da Dinamarca, foi vandalizada esta terça-feira por manifestantes contra a caça às baleias.
Os manifestantes pintaram a estátua com tinta encarnada e escreveram na pedra à frente: “Dinamarca defende as baleias das Ilhas Faroé”.
A polícia diz que está tratando o assunto como um ato de vandalismo, mas que não tem ideia de quem foram os responsáveis.
A caça à baleia é permitida junto à costa das Ilhas Faroé, um arquipélago que pertence à Dinamarca.
A estátua da “Pequena Sereia”, figura de um conto do famoso autor dinamarquês Hans Christian Andersen, encontra-se em cima de uma rocha, junto ao mar. Já foi alvo de várias tentativas de vandalismo, incluindo dois casos de decapitação.



Fonte: Site Renascença de 30 de maio de 2017.

P. S.: A caça às baleias piloto nas Ilhas Faroé é uma das mais brutais e sangrentas. Alegando tradição, a matança ocorre com ganchos de metal e conta com a participação de crianças ainda bem pequenas. Segundo a tradição, as mortes fortalecem as crianças.