quarta-feira, 26 de abril de 2017

Opinião sobre "O Farol das Orcas"

Neste final de semana tive o prazer de assistir ao filme “O Farol das Orcas” e fiquei surpresa e maravilhada com o que vi. Achei o filme encantador... Sensível, delicado, visualmente deslumbrante, apesar de a crítica não tê-lo avaliado muito bem. Obviamente não assisti esperando uma superprodução hollywoodiana, pois sabemos que este não é o caso, mas acredito que o filme tenha feito um excelente papel dentro da sua proposta.
Imagino que nem todas as passagens sejam verídicas, tendo alguns trechos tendo sido incluídos para atrair mais o telespectador aumentando o suspense e o drama, como é comum observarmos no Cinema, mas de modo geral, acredito que ele tenha contado bem a história do Roberto Bubbas, do seu relacionamento com o trabalho (e consequentemente as críticas que sucederam disso) e com as Orcas, e da problemática com o garoto autista.  Junto à trama, conseguiram dar diversas informações sobre os animais, seu comportamento de caça, que é tão único e característico do local, sobre como são realizados os trabalhos de pesquisas e acompanhamento, além de informações gerais de maneira clara. Pontos sobre a personalidade das Orcas que os leigos se equivocam tanto também são citados, como por exemplo, o fato de elas jamais terem atacado pessoas na natureza. As grandes ou as maiores predadoras dos oceanos? Possivelmente, mas extremamente inteligentes e sociais. E essa é uma das grandes mensagens do filme.
Li algumas pessoas questionando sobre o final em vários sites e milhares de pessoas buscaram o blog atrás dessas informações nesses últimos dias. Mas fiquei assustada com o fato de muitos questionarem sobre se a Orca teria matado o garoto no final. Várias razões me levam a crer que este definitivamente não foi o fechamento do enredo, dentre elas, o fato de o filme ser uma história verídica e sabemos bem que jamais houve qualquer registro sobre ataques de Orcas a humanos na natureza, e mais ainda, o fato de esse suposto final ir completamente contra a todos os ensinamentos sobre a espécie faladas e provadas no filme. Orcas são dóceis, curiosas com os humanos e lá na região estabeleceram um contato bem próximo ao Roberto Bubas, portanto, definitivamente, não! O menino não morre no final! Acho apenas que foi um final simbólico para mostrar que o contato com elas deu resultado no tratamento do autismo e que ele finalmente conseguiu estabelecer um laço real com algo (tanto que é o único momento do filme que ele se expressa verbalmente), fazendo valer todo amor e esforço da mãe e do famoso guarda-fauna. E o Roberto confia tanto nos animais que tranquiliza a mãe de que o menino se sairá bem, só deviam lhe prover um pouco de espaço para se expressar.
Sei que a crítica não o dará muito crédito, mas sei que os amantes de Orcas vão adorar o filme. Pelo menos pra mim, ele provocou emoções do início ao fim, trazendo lágrimas inúmeras vezes, não só pelo enredo, mas por me aproximar de como é realmente a vida naquela região. Por sorte, regiões da Península Valdes em que as Orcas se alimentam são protegidas por lei, não podendo ser visitadas por turistas. Há apenas um mirante em uma das praias que fica aberto para as pessoas tentarem observá-las, mas elas passam poucos dias por ano lá e é necessário realmente muita sorte para avistá-las no local. Portanto, o filme mata um pouco a nossa curiosidade e nos aproxima emocionalmente da realidade deste local tão inóspito e icônico. É como se pudéssemos estar presentes e presenciarmos algo tão surreal quanto o comportamento de caça das Orcas da Patagônia.
Por isso, quem ama Orcas e sonha vê-las por lá, tenho certeza que vai se deslumbrar com o filme, e mesmo quem não as conheça tão bem ou jamais tenha sonhado em vê-las pessoalmente, o filme só trará conhecimento e talvez desperte mais interesse e carinho por elas. 

"O Farol das Orcas"
"El Faro de Las Orcas"
"Lighthouse of the Whales"

Vale assistir e curtir sua beleza!




P.S.: Sei que muitos estão com dúvidas também sobre a biografia do Roberto Bubas, mas infelizmente não tenho nada concreto para dividir com vocês. Apenas de que sim, parece que ele teve um filho e ele faleceu (seu nome é exibido ao final), mas não tenho mais detalhes, nem se a história que conta no filme sobre o avião é verdadeira. Tentei contato com ele, mas não obtive resposta por enquanto, Imagino que milhares de pessoas estão tentando acessá-lo no momento, portanto, é compreensível que não me responda tão cedo.
Caso alguém encontre mais detalhes, compartilhe conosco.



25 comentários:

  1. Assisti ao filme também quando foi lançado e me impressionou. Concordo com toda a sua avaliação e foi exatamente a minha visão sobre as Orcas. No entanto, me intriga haver quem chegue à conclusão que no final, o menino pudesse ter sido morto pela orca. Trata-se de uma completa falta de entendimento desses predadores fantásticos.
    Parabéns pelo post!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada!
      E sim, não sei se viu aqui e em outras fontes, mas muuuitas pessoas se perguntaram se ele havia sido morto. Esquisito porque realmente contraria tudo o que quiseram mostrar no filme. Mas acho que agora podemos esclarecer.

      É a primeira vez que comenta aqui no blog?
      Assine, por gentileza, para "nos conhecermos" e mantermos um histórico.

      Um abraço

      Excluir
    2. Jônatas Filgueiras27 de abril de 2017 14:57

      Perdoe-me, mas é a primeira vez que escrevo aqui e não sabia como assinar.
      Sim, assino o V-Pod Orcas há alguns meses, pois sou muito ligado em orcas. Não sou biólogo e nem especialista, mas o assunto me atrai desde a infância.
      Fiquei impressionado de ver este blog tratando com tanta profundidade sobre o tema, onde só conseguimos algo assim no exterior, que não tive dúvidas em segui-lo.
      Não sei se há um e-mail seu que eu possa mandar uma foto curiosa de um souvenir sobre orca que ganhei uma vez de uma amiga que foi à Península Valdez. Trabalho todos os dias olhando esta orca. Talvez você até poste. É bem bacana.
      No mais, peço, por favor, que nunca desistam deste trabalho.
      Parabéns!
      Abraço.

      Excluir
    3. Que linda mensagem, Jônatas, obrigada!
      Mensagens assim me dão ânimo para sempre manter este trabalho. É ainda mais bacana quando vem de pessoas que se interessam verdadeiramente por Orcas, por assim a troca de informações fica muito mais rica.
      Tem acompanhado as postagens do Insta também?

      O e-mail de contato direto do blog é v.pod.orcas@gmail.com. Vou aguardar enviar a foto.

      ;-)

      Excluir
    4. Jônatas Filgueiras28 de abril de 2017 10:03

      Olá, enviei o e-mail com as fotos. Se achar conveniente e oportuno, poste. Eu acho muito bacana.
      Não sabia que estavam no Instagran também. Irei procura-los e segui-los. Orcas sempre me atraíram.
      Golfinhos são bonitos e legais? Sim. Pinguins também? Sim. Focas e leões marinhos? Idem. Mas todos passam batido. Quando o assunto é orca, eu paro tudo para acompanhar e ver se descubro alguma novidade ou fato curioso.
      Depois, com tempo, vou narrar uma história com Orca, ocorrida em Guarapari/ES, com um mergulhador de escafandro. Ocorreu em meados do ano 2000 ou 2001. É realmente fantástica essa narrativa e encontro debaixo d’água.

      Excluir
  2. Chamo a atenção também para um detalhe no filme: quando a mulher está olhando na cabana um quadro com várias fotos e os nomes das orcas, percebam o nome "Bernardo".
    Este macho viveu de fato na Península Valdez e foi estudado no meio dos anos 90 pela National Geographic, em um documentário único, tratando orcas no mundo todo. Eu tinha o VHS desse documentário e praticamente o decorei todo, de tantas vezes que o assisti. Naquele tempo, informações sobre orcas na natureza eram escassas.
    Na Patagônia, Bernard (com "d" mudo pela National) era mostrado caçando focas na praia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá!
      Lembro-me deste documentário. Tenho o VHS até hoje!

      Agradeço por dividir conosco esta sua observação.

      Excluir
    2. Jônatas Filgueiras27 de abril de 2017 14:59

      Era Bernard e outro macho que caçavam em uma parte da costa da Península, ano após ano.
      Muito bonito.

      Excluir
  3. Achei o filme incrível, sou apaixonada por orcas e tenho um sobrinho autista, foi lindo v como foi colocado questões sobre o autismo e sobre as orcas, pq ambos são vistos de uma maneira diferente do que realmente são. As orcas não são assassinas como o cinema colocou na cabeça das pessoas,e os autistas têm sim sentimentos. Tive uma dúvida se a foto que aparece no final é do Beto com o filho ou se é com o autista, alguém sabe me dizer?

    ResponderExcluir
  4. Filme incrível, sou apaixonada por orcas e tenho um filho autista, aí não teve como não se emocionar. Achei importante levantar questões que são desconhecidas pela maioria das pessoas, como o fato das orcas não serem assassinas como o cinema colocou na cabeça das pessoas,e tb mostrando que os autistas têm sim sentimentos podendo expressá-los, é só uma questão de paciência, sensibilidade e muito amor. A minha dúvida é saber se aquela foto do Beto no final se era com o filho ou se era com a criança autista que ele ajudou, alguém sabe dizer?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito especial seu comentário, Ariane! Muito gentil de dividir sua experiência pessoal conosco.
      Que Deus abençoe você e seu filho, e que tenham sempre muito amor e força para enfrentar e vencer obstáculos.

      Um forte abraço e você e no seu lindo

      Excluir
  5. Acabei de assistir O Farol das Peças e confesso que fiquei muito intrigado com o final do filme.
    Em momento algum achei que a peça tivesse matado a criança, mas cheguei a pensar que, em uma licença poética, ele tivesse ido com ela e encontrado seu verdadeiro mundo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Wilson entendi o mesmo que você! por isso até me espantei quando vi dizendo sobre a orca ter matado. Me pareceu ele triste dizer mas se afogando!

      Excluir
  6. Lindo filme.Fiquei maravilhada. Senti muita satisfação em ver a "evolução" do menino ao interagir com Beto e com a baleia. Acho que aquele lugar era o que precisava para "começar a viver".
    Muito obrigada pelo post que me ajudou a sentir mais o filme.

    ResponderExcluir
  7. Acabei de assistir o filme, muito bom por sinal.
    Estava asistindo com minha esposa e meu filho de 6 anos. Maravilha de filme, que fez meu filho se enterrassar completamente pela história. Confesso que me doía nos nervos quando a criança ficava sozinha... ���� me perguntava se a mãe ou Beto não iam olhar essa criança sozinha lá fora.. rsrsrsrs
    Afim... uma história maravilhosa que lhe trará uma paz de espírito. Boa noite

    ResponderExcluir
  8. Vi o filme hj, por uma indicação de uma amiga q sabe q eu amo orcas... Fiquei encantada com a delicadeza e leveza do filme... Achei o final maravilhoso! Jamais pensaria q teria sido trágico... Imaginei como se fosse a história q o Beto contou de quando viu uma orca por primeira vez! Lembrou-me de já ter ouvido falar do Beto! Inclusive há fotos dele com as orcas, tocando sua gaita!
    Enfim, super recomendo! ❤��

    ResponderExcluir
  9. Olá, tem uma entrevista do Beto para o Jornal argentino Clarin que ele fala sobre o filme e sobre o que é real e o que é ficção. Vale a pena conferir: https://www.clarin.com/extra-show/cine/actor-guardafauna-historia-inspiradora_0_HkJPvYYTl.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Luzirlei,
      Obrigada por compartilhar seu achado conosco!

      Um abraço

      Excluir
  10. Renata de Oliveira Saccaro6 de maio de 2017 16:24

    Amei o filme, assisti há alguns dias e lembro das cenas com muita frequência! Admirei muito o Beto e estou procurando mais informações sobre ele e sobre o Tristán também! Então, encontrei o blog. Vou seguir e espero ter mais informações sempre! Muito emocionante o contato dele e do menino com as orcas! Sem palavras!!

    ResponderExcluir
  11. gostei imensamente do filme, muito emocionante, verdadeiro,o menino encontrou o seu mundo com natureza, convivendo com o cavalo e o mar e orca ,tenho uma sobrinha neta com o mesmo problema de Tristán,e exatamente a ecoterapia duas vezes por semana e contanto com o está tento evolução.

    ResponderExcluir
  12. gostei imensamente do filme, muito emocionante, verdadeiro,o menino encontrou o seu mundo com natureza, convivendo com o cavalo e o mar e orca ,tenho uma sobrinha neta com o mesmo problema de Tristán,e exatamente a ecoterapia duas vezes por semana e contanto com o está tento evolução.

    ResponderExcluir
  13. Sou apaixonada por Orcas, filme Maravilhoso 😍

    ResponderExcluir
  14. sou fanatica por orcas queria poder ver elas de perto

    ResponderExcluir
  15. Assisti o filme e amei e me emocionei várias vezes. Sempre quis conhecer profundamente as Orcas. Quando assisti `Orca a baleia assassina`, vi logo que se tratava de um filme maldoso, que uma orca nunca sairia matando pessoas. Não gosto quando um filme acaba como esse terminou, queria ter visto mais dele com a orca, com a família, reagindo. Mas, isso fica na nossa imaginação. Em momento algum pensei que a orca tivesse o matado, isso não, mas queria ver o que aconteceu depois. Fui pesquisar e achei uma reportagem sobre o Joaquin (ator) e o Beto (personagem) e fiquei super feliz em saber que o Tristan (Augustin), está com 25 anos, noivo, joga futebol, artista plástico, lida com linguagem de sinais, totalmente integrado na sociedade e o comportamento autista diminui bastante. Muito feliz mesmo!!!

    ResponderExcluir