quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Golfinhos ficam traumatizados quando vivem em cativeiro?

Infelizmente, sim!
Golfinhos são animais inteligentes demais para serem usados para o entretenimento em parques temáticos e, de acordo com especialistas, não deveriam nadar com pessoas, pois isso pode traumatiza-los.
Há tempos sabe-se que os golfinhos são uma das criaturas mais inteligentes do mundo, senão, a mais. Lori Marino, uma neurocientista da universidade de Emory em Atlanta, nos Estados Unidos, afirmou na conferência de 2010 da AAAS (American Association for the Advancement of Science) que a grande inteligência dos golfinhos faz com eles sofram problemas psicológicos associados à captura e ao confinamento. Ela diz que eles podem ficar traumatizados por serem mantidos presos ou por terem que nadar com pessoas. Segundo ela “o atual conhecimento que temos sobre a complexidade cerebral e intelectual dos golfinhos indica que essas práticas são potencialmente danosas psicologicamente e demonstra um cenário distorcido sobre sua capacidade intelectual natural”, e ainda, “os golfinhos são seres altamente desenvolvidos, inteligentes e conscientes de si, possuem personalidade própria, autonomia e características interiores individuais. Estão sujeitos a intenso sofrimento e traumas”.

As pesquisas de Lori questionam as atividades de parques temáticos que oferecem interação com mamíferos, alegando poder de cura.

De repente, esteja na hora de avaliarmos essa relação humano/mamíferos marinhos que só beneficiam uma das partes.

Essas criaturas tão especiais não podem continuar pagamento um preço tão alto para beneficiar a humanidade...


Fonte: The Telegraph (Reino Unido)




quarta-feira, 17 de agosto de 2011

As Baleias: Relembrando a Canção

As Baleias
de Roberto Carlos


Não é possível que você suporte a barra
De olhar nos olhos do que morre em suas mãos
E ver no mar se debater o sofrimento
E até sentir-se um vencedor neste momento
Não é possivel que no fundo do seu peito
Seu coração não tenha lágrimas guardadas
Pra derramar sobre o vermelho derramado
No azul das águas que voce deixou manchadas


Seus netos vão te perguntar em poucos anos
Pelas baleias que cruzavam oceanos
Que eles viram em velhos livros
Ou nos filmes dos arquivos
Dos programas vespertinos de televisão
O gosto amargo do silêncio em sua boca
Vai te levar de volta ao mar e à fúria louca
De uma cauda exposta aos ventos
Em seus últimos momentos
Relembrada num troféu em forma de arpão


Como é possível que voce tenha coragem
De não deixar nascer a vida que se faz
Em outra vida que sem ter lugar seguro
Te pede a chance de existência no futuro
Mudar seu rumo e procurar seus sentimentos
Vai te fazer um verdadeiro vencedor
Ainda é tempo de ouvir a voz dos ventos

Numa canção que fala muito mais de amor



Whales
versão: Romy Hochfield e Vanessa R. P. 


Can you bear to look into the eyes of what is dying in your hands
And see in the sea beating with suffering
And still be able to feel power in that moment
Is it possible that in your heart
You have no tears left over
To shed over the bloodbath
In the blue of the waves that you leave your mark

Your grandchildren will ask you
For the whales that crossed the oceans
Those they will see in old references
Films and documentaries of long ago
A bitter sweet silence
will take you back to the seas’ fury
That tells of a tail cast to the winds
In it’s final moments
Remembered as a trophy in the form of a harpoon

How do you have the nerve
To disallow life to be born as was intended
Into another life with no security
We ask for the chance for future existance
We ask you to change your ways and look deep into your heart
There you will be become truly powerful
There’s still time to listen to the winds
In a tale that talks more of love

quarta-feira, 3 de agosto de 2011

Primeira definição sobre o futuro de Morgan

Hoje, dia 03 de agosto, um juiz decidiu que Morgan, a Orca capturada o ano passado e mantida cativa desde o ano passado, não deve ser transferida para o Loro Park, nas Ilhas Canárias, por enquanto.

O juiz solicitou que mais estudos sejam apresentados para que uma decisão final seja tomada. Pediu ainda que o Dolfinarium de Harderwijk, o governo holandês e os ativistas dos direitos dos animais, representados pelo Free Morgan Group, trabalhem juntos nisso. O Free Morgan, que deu entrada no processo para impedir a transferência de Morgan, consideraram a decisão uma vitória, apesar de não terem conseguido seu principal objetivo que era o início de um plano gradual de reintrodução de Morgan ao seu habitat.

Alguns cientistas defendem que ela não sobreviveria no oceano caso não se reunisse imediatamente com seu pod. No entanto, o Free Morgan Group alega que ela também enfrentaria problemas de rejeição caso seja enviada ao Loro Park, que já possui quatro Orcas.

O Dolfinarium também terá que transferir Morgan para um tanque cinco ou seis vezes maior do que o que ela se encontra no momento (e que tem sido visita pelo público desde março deste ano). Ela também poderá conviver com um grupo de golfinhos que ainda não viu, mas que já tem se comunicado.
O Free Morgan Group apresentou hoje o plano de reabilitação para Morgan no tribunal. O plano prevê a transferência de Morgan para uma baía artificial próxima a Rotterdam, onde ela seria reabilitada e se acostumaria com mar aberto novamente. Ela ganharia um rastreador e seria treinada para retornar a um barco quando chamada. Ao perceberem que ela já se estabeleceu em algum pod passariam apenas a rastrear seus movimentos.

De acordo com Ute Margreff, do Marine Connection, “Morgan veio do oceano e só está presa há um ano... Ela sabe o caminho e os melhores pesquisadores do mundo estarão lá para ajudá-la”.


Vamos continuar torcendo para que libertem Morgan. Como disse no post anterior, pelo menos assim ela terá uma chance...

Se quiser ajudar Morgan, assine a petição neste link: http://www.thepetitionsite.com/2/Free-Morgan-The-Orca/

P.S. 1: No último dia 30 de julho, Jean-Michel Cousteau aceitou o convite do Free Morgan Group para fazer parte da equipe que defende a libertação de Morgan. É muito bom saber que alguém tão respeitado como ele juntará forças a favor de Morgan.

P.S. 2: A foto é do site freemorgan.nl e a mensagem "Freedom is Priceless" significa "A liberdade não tem preço".

segunda-feira, 1 de agosto de 2011

Free Morgan

Há pouco mais de um ano, uma jovem Orca fêmea foi encontrada sozinha, desidratada e visivelmente abaixo do peso no mar de Wadden (também conhecido como mar Frísio) na Europa. Com a promessa de que não seria usada para exibição ao público, que receberia tratamento veterinário e que, em seguida, seria devolvida ao mar; no dia 23 de junho de 2010, ela foi capturada e encaminhada ao Dolfinarium Harderwijk, na pequena cidade de Harderwijk, na Holanda. Com base em seu tamanho, estimaram que ela teria entre 1 e 4 anos de idade. Chamaram-na de Morgan.
Morgan respondeu bem ao tratamento veterinário e logo recuperou a saúde e o peso.
Em seguida, deu-se início uma grande controvérsia...
Mesmo tendo se comprometido com o contrário, o Dolfinarium Harderwijk, alegando que Morgan não estaria mais apta a viver livre por conta do tempo que foi mantida em cativeiro, deseja transferi-la para outro parque marinho e não libertá-la conforme prometido.

O Free Morgan Group (do inglês, "Grupo para Libertação de Morgan", é formado por instituições respeitadas como o Orcalab, Orca Network, Orca Research Trust, Centre for Whale Research, Project SeaWolf Coastal Protection e outras sociedades de proteção e conservação de cetáceos) que tem acompanhado a história de Morgan, já apresentou um relatório completo (incluindo planos de contingência) de reabilitação e soltura garantindo que ela poderia perfeitamente ser libertada, mas este, infelizmente, não tem sido considerado por aqueles que a mantêm cativa.
Se ela realmente for transferida, ela provavelmente será utilizada para programas de reprodução em cativeiro, afinal, a indústria de entretenimento dessa natureza está precisando desesperadamente de novos genes para cruzamentos... Os grandes parques marinhos, especialmente o principal deles (cujo nome nem preciso citar aqui), estão interessadíssimos na manutenção de Morgan em cativeiro.


Orcas em cativeiro são obrigadas a dar à luz bem mais jovens do que ocorreria naturalmente na natureza. Os parques também não respeitam o tempo natural entre uma gestação e outra. Orcas fêmeas atingem a maturidade sexual por volta dos 15 anos de idade e normalmente procriam a cada 5 anos... Taima, uma das Orcas do Sea World morreu no ano passado dando à luz seu 4o. filhote aos 20 anos de idade!!! (a notícia de sua morte pode ser lida, em inglês, neste link: http://latimesblogs.latimes.com/unleashed/2010/06/taima-orca-killer-whale-dies-orlando-seaworld.html -  detalhe: Desde o primeiro filhote, Taima demonstrou não ter aptidão para ser mãe, agredindo diversas vezes o pequeno, a ponto de terem que separa-la dele... Mesmo assim, o parque insistiu em outros cruzamentos e outros filhotes...).



Vamos torcer e ficar atentos às decisões referentes ao futuro de Morgan. Espero que ela tenha a sorte e a benção de ser devolvida ao local que, de fato, pertence e que não tenha o mesmo infeliz e trágico destino de Taima. Afinal, mesmo que não consiga sobreviver por muitos anos em seu habitat... Pelo menos ela terá uma chance de ser o que realmente é e a natureza poderia seguir seu curso naturalmente, seja ele qual for.



Para saber mais sobre Morgan e sua história, visite: http://www.freemorgan.com/





O video acima, mostra Morgan em seu cativeiro em Harderwijk.

P.S.: Deseja ajudar Morgan? Neste link há informações sobre como. Acesse: http://theorcaproject.wordpress.com/how-to-help/how-to-help-morgan/